HORAS,  MINUTOS E  SEGUNDOS

Diretora do Simpa retorna à sua função após Justiça determinar ilegalidade do governo Marchezan

PERSEGUICAO POLITICA

A diretora-adjunta de Saúde do Trabalhador do Simpa, Rita Buttes, retornou à sua função na sede da Secretaria de Saúde do Município (SMS), nesta sexta-feira (29/3), após Justiça acatar mandado de segurança do Simpa contra prática antissindical do governo Marchezan. Em fevereiro deste ano, a liminar deferida pelo TJ-RS determinou a suspensão do ato que retirou a servidora da Sede da SMS e determinou seu retorno ao local, expondo a ilegalidade do secretário de Saúde ao tentar punir a servidora por participação em greves e atos do Sindicato.

 

“Hoje é um dia muito importante para os municipários e municipárias que sofrem assédio no seu local trabalho. Eu fui deslocada da SMS por claro fato de perseguição política, por fazer a luta e denunciar todos os ataques do prefeito Marchezan à cidade. Pelas mãos da Justiça estou retornado ao trabalho e cessando este ato do secretário de Saúde”, comemora Rita.

 

O Simpa vê a ação como importante vitória contra as perseguições arbitrárias da Prefeitura que, de maneira recorrente, retalia servidores que exercem seu direito de reivindicar melhores condições de trabalho e salário e dirigentes sindicais que cumprem seu papel de lutar ao lado da categoria.

 

Para o diretor geral do Simpa, Jonas Tarcísio Reis, os atos ilegais do governo Marchezan serão derrubados, se não pela Justiça, pela luta política dos trabalhadores unidos em defesa dos direitos da categoria e da política pública de qualidade da cidade de Porto Alegre. “Viva à luta! Não nos calarão”, afirma.

 

DITADURA NUNCA MAIS

Mesmo com a comemoração da volta à SMS, Rita lembra que hoje é um dia de luto pelas pessoas que morreram e foram assassinadas na Ditadura Militar, que completa 55 anos daqui dois dias (31 de março), e pelos vereadores e presidente que fazem a comemoração de um ato absurdo como este.

 

Aquele tempo ainda está presente em atos como estes do governo Marchezan, de perseguição política. Por isso, Rita manda um recado aos colegas: “se você está sendo assediado, procure o Sindicato! Não deixe de lutar pelos seus direitos!”.

 

Leia mais: TJ-RS concede liminar ao Simpa para coibir ato antissindical da SMS

Mais notícias

SIMPA TV

AÇÕES JURÍDICAS

ASSISTÊNCIA JURÍDICA

COMBATE AO ASSÉDIO