Categoria municipária aprova novas diretrizes no VI Congresso

 

Municipárias e municipários aprovaram, na tarde deste sábado (27/4), as novas diretrizes de luta e organização da categoria, durante a plenária final do VI Congresso do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), com o tema “Reorganizar a Classe Trabalhadora para Lutar e Avançar”. As resoluções foram previamente debatidas, em grupo, e avaliadas por uma comissão. Somente após, foram levadas a votação.

 

Três novos cargos de direção foram criados. O Simpa passar a ter 01 diretor ou diretora para tratar dos assuntos dos aposentad@s, 01 diretora para questões das mulheres e 01 diretor ou diretora de combate à terceirização.

 

As novas diretorias surgem para representar novas necessidades que a categoria vem percebendo. Ao longo do último período, a luta das mulheres foi intensificada com o protagonismo das mulheres nas greves da categoria e nos atos contra a candidatura de Jair Bolsonaro, no ano passado. No Congresso do Simpa, as mulheres também conquistaram paridade na direção do Sindicato, que deverá contar, no mínimo, com 50% de representantes do sexo feminino.

 

O Núcleo de aposentd@s do Simpa é maioria dos associados e se mantém na ativa, com constantes reuniões no Sindicato e participação nas mobilizações conjuntas. Em tese inscrita, reivindicaram uma diretoria apenas para questões dos aposent@dos e conquistaram esta instância na plenária.

 

A outra direção criada é a de combate à terceirização. A falta de direitos trabalhistas e a submissão à precarização dos trabalhadores e trabalhadoras da Prefeitura Municipal é uma luta que o Simpa deverá ser solidário e apoiar com ações políticas e jurídicas quando for o caso.

 

A maioria dos trabalhadores e trabalhadoras presentes reconhecem a necessidade de mantar-se em união, com todas as centrais sindicais e coletivos políticos, para barrar os retrocessos e manter o Estado de Direitos. Nesse sentido, foi consensual a luta unificada contra a Reforma da Previdência de Jair Bolsonaro. Defenderão ainda as bandeiras anti-capital, anti-patriarcal, anti-racista e anti-fascista.

 

A categoria municipária também vai incorporar à sua luta o pedido de revogação da PEC 241, de Michel Temer, que reduziu drasticamente os gastos públicos em Saúde, Educação e outros setores. Desde lá, faltam investimentos, melhorias, segurança e, até mesmo, servidores públicos nos locais de trabalho pela escassez de repasses do governo. Isto prejudica o atendimento de qualidade à população que usa o serviço público, na sua maioria, da classe trabalhadora.

 

Outras resoluções aprovadas serão sistematizadas e, posteriormente, divulgadas pelo Simpa. No entanto, todas as propostas passarão ainda pelo crivo de assembleia geral, instância maior do Sindicato. O Congresso é um instrumento de deliberação do Simpa que acontece a cada quatro anos.

 

Leia também:

 

 

Mais notícias

Luta dos municipários de Porto Alegre está na pauta da Greve Geral

A Reforma da Previdência é um ataque aos direitos de…

Marchezan continua se negando a negociar a reposição salarial

A campanha salarial de 2019 marca mais um momento de…

Vereadores e Simpa entregam representação ao MPE contra terceirizada na saúde

Em reunião ocorrida hoje, 11 de junho com procurador-geral do…