Oficina de Cerâmica da escola Emílio Meyer tem exposição na Câmara de Vereadores

 

A Oficina de Cerâmica da Escola Municipal de Ensino Médio Emílio Meyer realiza, até o dia 27 de setembro, a exposição “Apesar de Você”, no térreo da Câmara de Vereadores de Porto Alegre. A oficina atende, gratuitamente, 22 pessoas da comunidade, entre 16 e 75 anos, e funciona há 40 anos na escola. Para esse ano, foram produzidas peças de diversos tamanhos e temáticas, trazendo reflexões sobre preservação ambiental, liberdade de expressão, violência, acesso à educação e direito à cidadania.

 

A direção do Simpa esteve presente na abertura da exposição para apoiar a luta pela manutenção das oficinas. O tema “Apesar de Você” também faz referencia aos ataques que as escolas municipais vêm sofrendo com o governo Marchezan. Em janeiro deste ano, o projeto de cerâmica foi cortado pela SMED, assim como diversos outros projetos que aconteciam na escola, como teatro e educação ambiental. Foi o movimento das professoras que garantiu a permanência da atividade.

 

“Aproveitamos o espaço destinado à “Casa do Povo” para criar peças que falassem das nossas angústias, pois todo dia que chegávamos à oficina era uma dúvida sobre a ameaça de fechamento do projeto e das vagas de ensino médio da escola”, explica Vanusa Unfer, professora de cerâmica.

 

A Diretora da EMEM Emílio Meyer, Deliamaris Acosta, lembra que esta exposição é o resultado de 65 anos de escola investindo na arte e na educação e da persistência e da luta pela manutenção dos projetos que sempre contemplaram os cidadãos.

 

A exposição acontece a convite do vereador Marcelo Sgarbossa (PT), que acredita na luta a favor do serviço público. “Estamos vivendo um momento de criminalização do serviço público e exaltação de tudo que é privado. Essa é a lógica do governo Marchezan, infelizmente”, ressalta o vereador.

 

Com apenas 15 anos, Giovana Menegaz faz parte da oficina de cerâmica e fica muito emocionada ao falar das aulas. “O ambiente da arte é uma coisa muito acolhedora e dá muito apoio para a gente, para conseguirmos nos expressar”, afirma a aluna do 1º ano do Ensino Médio.

 

A professora Julia Kinoshita acredita no potencial da oficina de cerâmica de arte sendo oferecida pela escola pública. “Neste ano, fizemos toda uma campanha para que não fechasse, não sabemos como vai ser o ano que vem, mas continuamos na briga. Essa exposição faz parte para que não seja extinta a oficina”, diz ela.

Mais notícias

TJ-RS nega extinção da Licença-prêmio da Lei Orgânica

Mais um direito assegurado à categoria municipária. Foi acatada pelo…

Nota do Simpa sobre a extinção do Imesf

O descaso e a irresponsabilidade da gestão Marchezan estão escrevendo…

Simpa busca, na Justiça, barrar o caos nos serviços essenciais

Foto: Priscila Lobregatte/Simpa As mudanças impostas…