Luta contra a Reforma da Previdência deve seguir até a votação

<a href="https://flic.kr/s/aHsm92SMdr" target="_blank">Clique para ver</a>

 

Os trabalhadores brasileiros estão mobilizados contra a ameaça de votação do projeto da Reforma da Previdência no Congresso Nacional, prevista para os dias 12 e 13 de dezembro. Nesta manhã, 5/12, centrais sindicais, sindicatos e movimentos sociais realizaram o Dia de Lutas contra da Reforma da Previdência, com diversas mobilizações em todo País. Em Porto Alegre, os municipários marcaram presença no Aeroporto Salgado Filho, às 4h, para pressionar os deputados gaúchos a votar não ao projeto. Depois, participaram do ato que iniciou às 8h, na Rodoviária, e saiu em caminhada até o prédio do INSS, no Centro da cidade.
Neste momento, Michel Temer (PMDB) está encontrando muita dificuldade para votar a reforma. O governo adiou a dia da votação porque não tinha maioria qualificada dos votos. Ele precisa de 308 votos na Câmara de Deputados. Apesar de querer aprovar ainda este ano o projeto, o governo tem receio da impopularidade com a população. A reforma é extremamente impopular e vista com péssimos olhos pelo povo trabalhador.

 

GOLPE NA PREVIDÊNCIA
Se aprovada da Reforma da Previdência do governo Temer, a idade mínima para se aposentar será de 65 anos para homem e 62 anos para mulher. Todos terão que trabalhar, no mínimo, 40 anos para ganhar aposentadoria integral. Muita gente vai morrer sem se aposentar! O governo justifica a mudança dizendo que a Previdência é deficitária e que a reforma seria necessária para equilibrar as contas. Porém, movimentos sociais e sindicatos denunciam que Temer não leva em conta toda receita arrecadada pela Previdência para fazer o cálculo.
Além disso, o trabalhador não deve pagar a conta. Milhares de empresários sonegadores deixam de pagar impostos no Brasil. Um dinheiro que poderia até cobrir o chamado “rombo da Previdência”. Rombo este que não existe, pois o dinheiro da Seguridade Social – de onde vêm as aposentadorias – é desviado para o pagamento da dívida pública. Para as centrais sindicais e movimentos sociais, esta reforma foi inventada para gerar lucro para os bancos, que serão os únicos a ganhar realmente, com as vendas de Previdência Privada.

Por Mariana Pires

Mais notícias

Seminário discute o papel da educação popular na resistência aos retrocessos pós-golpe

A conjuntura pós-golpe e a educação em tempos de resistência…

Simpa enfrenta mais uma tentativa de Marchezan para desmobilizar os municipários

A direção do Simpa informa à categoria municipária que, junto…

Campanha do Simpa mostra à população vereadores que estão contra a cidade e os trabalhadores

O Simpa colocou nas ruas, há poucos dias, uma campanha…