Justiça determina suspensão de transferências na Saúde

Em decisão publicada nesta segunda-feira, 19/10, a Primeira Vara da Fazenda de Porto Alegre deferiu liminar determinando a suspensão da remoção ou transferência dos servidores públicos municipais lotados nas unidades de saúde de Porto Alegre, até a posse dos candidatos eleitos no pleito de 2020.

 

A Coordenação de Gestão de Pessoas (CGP) da Secretaria Municipal de Saúde já foi informada da decisão pelo Sindicato. Já a Procuradoria Geral do Município recebeu, por sua vez, intimação do próprio judiciário no final da tarde desta segunda-feira na qual consta a decisão liminar.

 

A orientação do Simpa é de que os colegas da saúde que ainda não tiveram as remoções efetivadas até a presente data — 19/10, quando foi deferida a liminar — se apresentem no seu local de trabalho de origem. O Simpa ainda busca, na ação judicial, anular todas as remoções ocorridas no período eleitoral.

 

O Simpa vai acompanhar a situação nesta terça-feira, 20, desde cedo, orientando os servidores e servidoras da saúde. A decisão abrange servidores de unidades de saúde, hospitais e pronto-atendimentos.

 

Argumento do Simpa

A ação, proposta pelo Simpa, solicitava o cumprimento do artigo 73, V, da Lei 9.504/97, que, conforme descrito na decisão, “proíbe a remoção e a transferência de ofício de servidores nos três meses que antecedem o pleito até a posse dos candidatos eleitos, a fim de preservar a igualdade de oportunidades entre os candidatos no pleito eleitoral, coibindo tanto o abuso com a finalidade de beneficiar ou angariar apoio, como aquele abuso em prejuízo de adversários” .

 

Na ação, o Sindicato questiona ainda “o aparente interesse da autoridade pública na remoção ou transferência dos servidores, já que vinculada à terceirização dos serviços de saúde, tratando-se da plataforma de campanha da autoridade que, candidato à reeleição, defende abertamente a ampla utilização da parceirização como modelo de gestão da saúde pública municipal”.

 

Para o Simpa, esta é uma grande vitória que garante os direitos dos servidores contra a intransigência do governo Marchezan e sua tentativa de transferir trabalhadores a fim de se utilizar de serviços terceirizados que precarizam o atendimento à população.

 

Leia a íntegra da decisão:

Decisão NÃO TRANSFERÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA SAÚDE

 

Mais notícias

Simpa cobra da SMS medidas preventivas no Centro de Saúde Modelo

Após duas trabalhadoras do Centro de Saúde Modelo terem sido…

Sede do Simpa passa a chamar-se “Marielle Franco”

O 20 de novembro de 2020 será registrado, na história…

Novo parecer do CME/PoA aponta como ilegal normativa da Smed sobre volta às aulas

Foi aprovado nesta quinta-feira, 19/11, o Parecer 13/2020, da Comissão…

SIMPA TV

AÇÕES JURÍDICAS

ASSISTÊNCIA JURÍDICA

COMBATE AO ASSÉDIO