#EleNão: união de mulheres sai das redes e toma as ruas contra o fascismo

 

Elas chegaram aos poucos, com suas cores, seus estilos, seus desejos, suas preferências; acompanhadas de suas famílias, de companheiros e companheiras, de seus amigos e amigas, foram lotando a praça nos arredores do Monumento ao Expedicionário, espalhando-se por todo eixo do espelho d’água. 

 

Logo após o início do ato #EleNão, neste histórico 29 de setembro de 2018, a Redenção estava tomada por milhares de pessoas que, no fim da tarde, saíram em caminhada até o Largo Zumbi dos Palmares, onde o protesto se encerrou por volta das 20h, tomado de alegria e orgulho de quem sabia estar ajudando a construir um país mais justo e igualitário. 

 

Ao longo da tarde, artistas e lideranças políticas, sociais e religiosas, de variadas matizes ideológicas, de diversas crenças e credos, se revezaram no microfone entoando, junto com o público, numa só voz, o #EleNão que unia a todas e todos.

 

A data foi especial em todo o Brasil e também no exterior. Nas principais capitais e em diversas cidades brasileiras e de outros países, multidões formadas majoritariamente por mulheres tomaram praças, ruas e avenidas embaladas no sonho comum de barrar a ascensão do pensamento fascista e de seu principal representante nas eleições presidenciais, Jair Bolsonaro. 

 

Em Porto Alegre e país afora, discursos e palavras de ordem denunciavam o machismo, a misoginia, o racismo, a LGBTfobia, a xenofobia e todas as manifestações de ódio, violência e opressão. Na capital gaúcha e demais cidades, os atos foram pacíficos, sem registro de nenhuma ocorrência violenta. 

 

O Simpa, municipárias e municipários estiveram presentes reforçando a união contra o fascismo. Para o Sindicato, a luta pelo #EleNão é uma legítima reação das mulheres e do povo em geral contra os discursos e propostas autoritárias e preconceituosas, contra os ataques aos direitos humanos, das trabalhadoras e trabalhadores, que vêm sendo defendidos pelo candidato e seu vice. O Simpa, portanto, reafirma seu compromisso com a democracia, em defesa da diversidade e dos direitos de todas e todos, na certeza de que a mobilização social é a base da construção de um país mais justo, democrático, respeitoso e igualitário. 

Mais notícias

Denúncias do controle social surtem efeito e gestão da Saúde anuncia contratação de recursos humanos para o HPS

NOTÍCIA DO CMS - 19/10/2018 Após inúmeras denúncias feitas pelo Conselho Municipal…

Municipárias aposentadas alertam população para abandono da cidade

Municipárias do Núcleo de Aposentados do Simpa realizaram,…

No Salão Jovem da UFRGS, estudantes e professores mostram que educação resiste ao desmonte de Marchezan

Dezenas de alunos de escolas públicas e particulares…