Campanha salarial 2019: dados mostram que reposição das perdas é possível

Maio é o mês da data-base da categoria municipária de Porto Alegre. Em assembleia realizada no último dia 16, os servidores aprovaram a pauta de reivindicações, dando início à campanha salarial 2019. Dentre os principais pontos de luta estão o reajuste de 12,61%, que abarca o período de maio de 2016 a abril de 2019, e a correção das perdas históricas que somam 8,85%. Os índices são percentuais justos que tão somente corrigem as distorções causadas pelo não cumprimento, por parte da gestão Marchezan, daquilo que a lei determina: a reposição anual da inflação.

 

No entanto, o autoritarismo e a falta de diálogo do prefeito tucano com seus trabalhadores têm levado a categoria a uma situação penosa, que se vê com seu poder de compra reduzido e, ainda por cima, sobrecarregada devido à falta de contratação de novos servidores em número suficiente para responder às demandas da cidade.

 

AUMENTO NO CUSTO DE VIDA

O arrocho salarial imposto à categoria se torna ainda mais dramático frente ao aumento do custo de vida na cidade. De acordo com o Dieese (veja abaixo), entre abril de 2016 e abril de 2019, a cesta básica aumentou 17%; a tarifa de ônibus, 25,3% e a gasolina, 21,2%.

 

SUCATEAMENTO E TERCEIRIZAÇÃO

Para piorar a situação dos servidores, a política de sucateamento e terceirização dos serviços públicos, encampada por Marchezan, vem gerando condições precárias de trabalho. É possível verificar em números o que os municipários sentem todo dia na pele: entre 2015 e 2018, o número de servidores ativos caiu 13% e nas autarquias, a queda foi de 12,4% entre 2010 e 2018.

 

A CRISE COMO PRETEXTO

De matriz neoliberal, o prefeito do PSDB não esconde sua predileção pelo setor privado em detrimento do serviço público. Exemplos disso são as terceirizações que vem implantando – com destaque para a saúde, em desrespeito à Constituição –, a aprovação da lei que permite privatizar parques e praças e o desejo de vender o Dmae e a Carris, entre outros, medidas que atentam contra o direito de a população ter acesso a serviços públicos de qualidade.

 

Para justificar sua posição político-ideológica, Marchezan insiste em colocar a culpa nas dificuldades financeiras do município, até hoje não demonstradas de maneira clara à população. Dados do Dieese apontam que entre 2017 e 2018, as receitas correntes de Porto Alegre apresentaram variação positiva de 6,2%, o que corresponde a R$ 330 milhões a mais nos cofres públicos. No que diz respeito à receita tributária, por exemplo, houve crescimento de 20% no mesmo período.

 

Em 2018, o balanço orçamentário apresentou superávit de mais de R$ 366 milhões. Cabe destacar ainda que, entre 2018 e 2019, as renúncias fiscais cresceram 131% e, entre 2016 e 2019, o aumento foi de 828%. Ao mesmo tempo, a prefeitura reduziu os investimentos em 21,4% em 2017, menor nível desde 2013; e em 2018, foram orçados 554 milhões e realizados 187 milhões, o que contribui para a estagnação e regressão da cidade.

 

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

Do ponto de vista da Lei de Responsabilidade Fiscal, em 2018 o município comprometeu 48,64% (ou 43%, de acordo com o Tribunal de Contas do Estado) de sua receita corrente líquida com a folha de pagamento ficando, portanto, abaixo do limite prudencial (51,30%) e do limite máximo (54%), segundo metodologia de apuração do TCE e da Prefeitura (STN), compilados pelo Dieese. Ou seja, há margem para a prefeitura operar neste quesito, mas Marchezan prefere impor restrições ao serviço público, penalizando a população, especialmente a fatia mais vulnerável.

 

POPULAÇÃO DESAPROVA O GOVERNO

Não à toa, pesquisas do Instituto Methodus e da Foca Comunicação, recentemente divulgadas, mostram que mais de 86% dos porto-alegrenses desaprovam o governo Marchezan e mais de 87% disseram que não votariam de jeito nenhum no prefeito em caso de se candidatar à reeleição no ano que vem. É a resposta das ruas ao descaso com a cidade.

 

ATAQUE AO SIMPA

Em que pese a falta de transparência da prefeitura quanto às suas finanças, o Simpa entende que esses dados demonstram que a opção de Marchezan por sucatear os serviços e atacar os servidores é política, sem lastro na realidade concreta. O Sindicato e a categoria têm sido os principais atores na denúncia do abandono da cidade e da gravidade que isso representa para a vida do povo. E por isso têm sofrido ataques que vão desde o não pagamento das reposições até a asfixia financeira do Sindicato, passando por projetos de lei que destroem a carreira do funcionalismo. Mas, ao contrário do que se poderia supor, as adversidades impostas pela gestão Marchezan, ao invés de intimidar, estão fortalecendo ainda mais a mobilização municipária na busca por seus direitos e em defesa do serviço público.

 

Leia também: 

Municipários de Porto Alegre lutam pela reposição da inflação nos salários

 

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2019 Editada 17mai

 

Dieese Database 2019

Mais notícias

Luta dos municipários de Porto Alegre está na pauta da Greve Geral

A Reforma da Previdência é um ataque aos direitos de…

Marchezan continua se negando a negociar a reposição salarial

A campanha salarial de 2019 marca mais um momento de…

Vereadores e Simpa entregam representação ao MPE contra terceirizada na saúde

Em reunião ocorrida hoje, 11 de junho com procurador-geral do…